Felisbela Lopes

Analisará estratégias de comunicação em saúde

Felisbela LopesFelisbela Lopes

A comunicóloga, professora e investigadora da Universidade do Minho Felisbela Lopes será a conferencista inaugural do 37º Encontro Nacional de Medicina Geral e Familiar (MGF). A jornalista de formação procurará perspetivar como será a relação comunicacional entre médicos e utentes nos próximos dez anos, numa altura em que tanto se fala de discordâncias e atritos registados em gabinetes médicos, salas de tratamento e de espera. 

De regresso a Braga, o Encontro Nacional de MGF, na sua 37ª edição, vai ter lugar entre os dias 11 e 14 de março de 2020, no Altice Forum Braga. O mote eleito para este ano é «MGF: projetar 20-30», manifestando uma clara ambição por parte dos organizadores de antever, nas múltiplas frentes (clínica, científica e de investigação, organizacional, tecnológica, etc), o que trarão os próximos dez anos para a especialidade e para os cuidados de saúde primários em Portugal. 

Uma das vertentes em que mais interessa perceber o que está para vir é a que envolve as relações mantidas entre o médico e os utentes da sua lista, numa fase histórica em que as limitações impostas ao sistema de saúde português por vezes geram um ambiente “tóxico” e em que a tecnologia, nas suas mais variadas facetas, transforma o modo como populações e profissionais de saúde interagem. 

A este propósito, será muito interessante ouvir o que terá para dizer Felisbela Lopes, professora do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade do Minho e responsável pela conferência inaugural do evento, com uma comunicação intitulada «Estratégias de comunicação ao serviço da promoção da saúde», desenvolvida em colaboração com a investigadora do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho, Rita Araújo. 

Felisbela Lopes é professora associada com agregação da Universidade do Minho, onde trabalha desde 1994. Entre 2009 e 2014, foi aí Pró-Reitora para a área da Comunicação.  Nestes últimos 20 anos tem centrado a sua investigação académica nas áreas da informação televisiva, do jornalismo da saúde e das fontes de informação e tem desenvolvido o ensino no campo do jornalismo. É autora de vários livros, entre os quais se destacam «Marcelo, Presidente todos os dias» (Porto Editora, 2019), «Jornalista: uma profissão ameaçada» (Alêtheia, 2015), «Vinte Anos de TV Privada em Portugal» (Editora Guerra e Paz, 2012), «A TV do Real» (Minerva, 2008) e «A TV das Elites» (Campo das Letras, 2007). É comentadora residente da RTP para os temas de comunicação e colunista semanal do Jornal de Notícias.

keyboard_arrow_left Voltar